simplesmente poliana - capítulo 58
uma história de fé, amor e esperança

Bem-vindo ao Simplesmente Poliana. Você vai conhecer uma menina que em apenas 9 anos de vida semeou alegrias e deixou muita história pra contar. ;-)

nossa história continua...

Comecei a escrever como uma forma de terapia. Além de homenagear minha filha, queria preservar as lembranças que ajudassem outras pessoas a conhecê-la também.

Após concluir o livro, percebo que nunca mais poderei ser o mesmo. Ao partilhar momentos de alegria, de dor e de gratidão, venho recebendo manifestações de amor e amizade de diversos leitores.

Percebo que nossas emoções são muito parecidas, e que as pessoas em sua maioria se importam umas com as outras. O que às vezes nos falta é uma oportunidade, ou uma maneira adequada de expressar tais sentimentos...

Numa noite fria de junho, em que planejava fazer uma revisão desse livro, nossa filha mais velha pede uma carona de bicicleta para sua aula de taekwondo. Quer que eu a acompanhe pedalando, enquanto ela corre até a academia.

Resolvo correr com ela, ao invés de pedalar. Passamos em silêncio pelo mesmo trecho em que a Poliana e eu havíamos corrido no dia em que completei 41 anos.

Ao olhar para o lado, não vejo mais uma criança, mas uma filha adolescente, sentindo-se amada por partilhar com o pai um momento a dois. Era como se a Poli estivesse me dizendo:

-- Pai, nosso tempo já passou. Foi muito bom, mas agora, é o de vocês. Aproveitem.

Continuamos em silêncio, correndo até a academia. De rabo de olho, percebo o sorriso estampado no rosto da jovem atleta. Do alto dos seus quinze anos, a Ana Paula diz um ‘obrigado’ que vem do fundo do coração.

Faço o caminho de volta sozinho. Venho pensando sobre a singularidade de cada dia, de cada momento que passo comigo mesmo ou em companhia daqueles a quem amo...

A vida continua.





Comentários

Ao escrever ‘Simplesmente Poliana’, um dos objetivos era confortar quem estivesse enfrentando desafios semelhantes. Muitos leitores comentaram que a leitura lhes ajudou a ampliar a perspectiva. Selecionamos alguns deles:

Amigo Charlles,

Tenho pensado e orado por vocês sempre, e tenho aprendido a controlar mais minha raiva quando se trata de filhos e procuro aproveitar mais o tempo que tenho com eles.

Sempre que chego em casa e preciso ir ao mercado comprar algo que falta meu filho fala: “Pai, deixa eu ir junto?”

E eu sempre dizia não, o pai vai rapidinho lá e já volta. Aprendi a dizer sim todas as vezes que ele quer ir junto e tem sido uma experiência fantástica, pois ele tem me ensinado coisas importantes da vida que só se aprendem com uma criança, e só ele fala, pois gosto de ouvir dizer sobre sua escola e sonhos que tem.

Abraço,

Marcelo, Curitiba – PR

*******

Charlles,

Muito obrigada pelo convite. Será um prazer acompanhar de perto o lançamento deste livro, parabéns para você e sua família que realmente soube fazer momentos de dor e saudades, se transformarem em um livro apenas de historias engraçadas, legais e reais, realidade de qualquer criança, momentos de uma menina cheia de vida, cheia de alegria, digna da admiração de todos nós, assim como de todos vocês (pais e irmãos).

Foi uma forma saudável e sábia de lidar com a saudade, sei que nada disso seria possível sem uma religião6, sem união, sem consciência tranqüila de dever cumprido, saber que fez o melhor que pode que aproveitou muitas viagens muitos passeios em família, sem deixar pra depois (até parei pra rever meus conceitos de família).

Adorei a forma com que você escreve sobre a pequena Poliana, um livro escrito por um pai que é fã da filha que tem, não da filha que perdeu, isso fez a diferença, não precisou de palavras que transmitissem pena, apenas bons momentos, alegrias, você realmente transformou sua filhinha após uma curta passagem pela sua vida, em uma imortal história de felicidade.

6 Somos membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Para saber mais, visite: http://lds.org.br/

******

Não importa quanto tempo ficamos nessa vida, o que importa é a forma e a importância que tivemos quando passamos por ela. Então como sabe sou fã da força de vocês (família), e estarei lá para buscar meu exemplar “Simplesmente Poliana”.

Beijos. Maiana, Angra dos Reis – RJ

******

Amigos,

Hoje pela manhã pensei: Já é terça-feira e preciso começar a ler o livro da Poli... Comecei há 2 horas e já terminei.

Confesso que sinto agora um pesar por não ter ‘vivenciado’ essa estrelinha como eu gostaria. Lamento também, por na época, não ter a proximidade que tenho de vocês agora, e por isso não ter dado o amor e apoio que eu seria capaz, com o que penso e sinto por vocês hoje.

Quanto a Poli... Confesso que não fiquei surpresa com toda a sua luz. Para mim, quando olho para vocês (Charlles, Martha, Ana Paula, Arthur, e Abraão), vejo a mesma luz!!! E tudo que ela fazia e dizia, encaixa perfeitamente no que eu vejo em vocês. Lógico que existem formas diferentes de expressar a mesma coisa e nisso, ela era ‘danadinha’. ;-)

Ao terminar de ler, vem à mente que nenhuma outra família poderia receber a Poli nesta vida. Ela tinha que estar cercada de luz! Cada um de vocês parece ser uma peça daqueles quebra-cabeças que formam uma imagem linda. Que dá vontade fazer quadro para ficar admirando...

Hoje posso dizer que AMO e ADMIRO muito cada um de vocês (incluindo Poli que conheci melhor neste livro) e sei que o Pai Celestial abençoa muitas pessoas e famílias, através da vida e exemplo de vocês! E eu posso testificar isso, pois sou uma das abençoadas. Que a Poli era especial, eu não tenho dúvida! Afinal, a fruta não cai longe do pé!

Parabéns pelos pais e seres humanos que são. Enquanto Poli está servindo e fazendo sorrir lá do outro lado, vocês – como não poderia ser diferente – seguem conectados fazendo o mesmo por aqui!

A-M-O V-O-CÊ-S!!!

Ana Paula Nadaleto, Angra dos Reis – RJ

******

Olá Charlles,

Ei sumido maluco (pra não perder o costume... rs rs rs)!! Tudo bom? Olha, confesso que me emocionei com essa novidade. Vou ser a leitora mais assídua que você vai ter. Tenho certeza que a Polian, está muito feliz e orgulhosa com esse pai escritor que está a homenageando.

Quando vier a Volta Redonda, vê se dá notícias pra gente se encontrar. Um grande abraço a vc e patotinha e fiquem com Deus.

Kátia Rodrigues, RJ, Brasil

******

Amigo Charlles,

Obrigada por todos os ensinamentos e exemplos que você, a Martha e as crianças nos deram e continuam nos dando.

Obrigada também por compartilhar a história da Poli conosco. É realmente uma história de amor, fé e esperança. Ela sempre estará presente em nossos corações, assim como todos vocês.

Abraços, Nathalia e Adriano, Volta Redonda, RJ

******

Olá...

Muito emocionante a história de sua filha, a cada capítulo me deixou a pensar mais sobre viver a vida de forma simples e muito mais feliz.

Poli simplesmente foi um exemplo do ditado "Viva sua vida intensamente como se cada segundo fosse o último." Obrigada por compartilhar estes momentos maravilhosos, que ajudará muitas pessoas, e saiba que além de tudo, vocês, pais, foram o fundamento de cada passo na vida dela. Parabéns por serem pais magníficos!

Ana Paula Young, Utah, USA

******


Se os céus se cobrirem de escuridão e todos os elementos se unirem para obstruir o caminho...

... Sabe, meu filho, que todas essas coisas te servirão de experiência e serão para o teu bem.

O Filho do Homem desceu abaixo de todas elas. És tu maior do que ele?

Portanto, persevera em teu caminho... Teus dias são conhecidos e teus anos não serão diminuídos; portanto não temas o que o homem possa fazer, pois Deus estará contigo para todo o sempre.

Doutrina e Convênios 122:7-9


Está gostando da história? Compartilhe com um amigo, e deixe seus comentários: