simplesmente poliana - capítulo 42
uma história de fé, amor e esperança

Bem-vindo ao Simplesmente Poliana. Você vai conhecer uma menina que em apenas 9 anos de vida semeou alegrias e deixou muita história pra contar. ;-)

UM ENCONTRO DE FAMÍLIA

Na noite do dia 31 de outubro de 2010, após concluirmos todas as atividades relacionadas ao sepultamento, os parentes se reuniram para comemorarmos dois aniversários: meu filho fazia 13 anos, e meu cunhado, 52.

Há alguns anos a família toda não se reunia mas, desta vez, sem qualquer planejamento, todos sentiram vontade de estar juntos... no sítio da Vó Terezinha!

Antes de partirmos os bolos, algumas pessoas pediram para falar...

Um cunhado enfatizou que, após o funeral, havia se dirigido para casa em Barra Mansa, mas que se sentiu compelido a “pegar o carro e ir até o sítio”. Comentou sobre o que sentiu ao participar do funeral na igreja, dizendo que “as pessoas que participaram da cerimônia foram tocadas pelo espírito de paz que emanava do local” e que “o trabalho iniciado por Jesus Cristo ainda não havia terminado, pois Ele vai voltar um dia”.

Outro, comentou sobre a importância de nos lembrarmos do aniversário do Arthur como um dia de alegria e de união da família – e que preservássemos a alegria daquela data nos anos seguintes.

Uma de minhas cunhadas compartilhou o sentimento de que sua falecida mãe poderia estar ali presente em espírito, mostrando à Poliana como a família estava unida numa ocasião solene como aquela, e convidou a todos a perguntarem ao Pai Celestial o que deveriam fazer para vivermos juntos em família por toda a eternidade.

Uma sobrinha ainda jovem – e que raramente fala em público – enfatizou a importância do perdão quando houver qualquer desentendimento em família, e disse para colocarmos os acontecimentos do dia a dia em sua devida perspectiva.

Quem esteve presente naquela ocasião pode sentir algo diferente... uma paz que desafia qualquer descrição, um sentimento de harmonia que há muito não havíamos sentido.

Outros parentes vieram se juntar a nós no dia seguinte. Fomos a Volta Redonda buscar minha irmã e os sobrinhos sapecas, Dudu e Pepe, e juntos passamos dias inesquecíveis!

Ali, longe dos centros urbanos e dos celulares, em contato com a natureza, conversamos com amigos de longa data, brincamos com as crianças, e pude sentir minha energia renovada para retornar às atividades do dia a dia.

A vida tem que continuar...


Diário de Poliana, 15 de Maio de 2008.

Hoje foi um dia muito legal, lá na minha escola eu trabalhei com a letra x. O meu irmão ganhou uma caneta que parece um ferrinho porque ela é de ferro, pequena e fina assim.


Está gostando da história? Compartilhe com um amigo, e deixe seus comentários: