Como Aprendi Inglês sem Sair do Brasil

Você já teve que rir sem entender a piada? Eu também. Agora, imagine fazer isso por 4 horas, na presença de 33 pessoas, ouvindo um idioma que você não entende!

Pois foi o que senti na pele no dia das bruxas de 1991. Eu tinha 22 anos e servia como missionário em Pernambuco.

Sou filho de paraibano com mineira. Com meu pai, aprendi a falar com Deus e o mundo, vendendo churrasco na feira livre de Volta Redonda. Minha minha mãe ficou viúva ainda jovem e, de tanto vê-la com um livro na mão no fim de um dia atarefado, costurando pra sustentar 3 filhos pequenos, peguei gosto pela leitura.

Quando comecei a missão, aprender inglês não passava nem perto das minhas prioridades. No sétimo mês, fui chamado para servir no staff (escritório). Eu cuidava dos registros, da correspondência dos missionários e ajudava aos recém-chegados.

Foi aí que começaram os pepinos. Quando um missionário chegava sem falar português, eu tinha que me virar pra gente se entender. Certa vez, recebi um telefonema da mãe de um deles, querendo saber se tínhamos recebido o pacote que ela enviou. Destrambelhou a falar como se eu fosse fluente em inglês. Como só entendi a palavra ‘pick up’, pensei: “Ela enviou um pacote gigante pra gente buscar de picape, ou mandou uma picape para o filho!?”

Mas nada disso se compara ao que passei no dia das bruxas. Na verdade, comemoramos o Dia de Ação de Graças com um jantar na casa do presidente da missão. Sua esposa fez pratos tradicionais da cozinha americana. Dez dos missionários presentes eram recém-chegados. Os outros vinte e um eram bilíngues e eu...

Nunca sorri tão amarelo em toda a minha vida! =)

Depois dos quatorze mil e quatrocentos segundos mais longos que já enfrentei, voltamos pra casa. Meu companheiro, percebendo meu constrangimento, fez a pergunta de ouro: “Você quer ajuda pra aprender inglês?”

Na manhã seguinte, acordamos uma hora mais cedo. Lemos em voz alta o Livro de Mórmon em inglês. Na vez dele, eu ia acompanhando e consultava meu exemplar em português quando aparecia uma palavra nova. Na minha vez, eu lia do jeito que desse, e tocava pra frente.

Três meses depois, ele foi transferido. Levou consigo seus poucos pertences. Mas sua influência me abriu um mundo de OPORTUNIDADES!

=== Escrevi um livro sobre o assunto. Para ler 'O Pulo do Gato', clique aqui. ===

Após concluir a missão, o conhecimento da Língua Inglesa me proporcionou experiências fascinantes:

Trabalhei nos Jogos Pan-Americanos Rio 2007, participei do Projeto de Substituição dos Geradores de Vapor de Angra 1 e criei um site de português para estrangeiros que recebe visitantes de 180 países todo mês. Escrevi alguns livros, criei um site para aprendizes de inglês e fiz um curso online pela Universidade Brigham Young de Idaho.

Por essas e outras, agradeço todo dia. Afinal, agora já consigo rir da minha própria piada. Em inglês ou português!

 PS: Estou prestes a divulgar um CURSO GRATUITO EM VÍDEOS para quem deseja aprender inglês por conta própria. Se você quiser ficar por dentro, coloque e-mail abaixo: